Tempo é uma questão de prioridades

We <3 It

   Ano passado, passei por um momento de grande confusão em relação às minhas ocupações. Em meio ao cansaço, às obrigações e aos planos que pareciam longe de serem realizados, meio que deixei afrouxarem os nós que mantinham juntas e organizadas todas as áreas da minha vida. Achei que não teria tempo para fazer o que realmente queria, e nos momentos que sobravam eu não sentia vontade de colocar os planos em prática. Antes das férias começarem, o que eu mais desejava era não pensar em mais nada. Mas enquanto isso, quando comecei a me dar conta do que estava acontecendo e resolvi colocar cada coisa em seu lugar, percebi que o tempo é uma questão de prioridades. Talvez o que me faltasse não fosse o tempo, e sim a definição das coisas que deveriam estar em primeiro lugar na minha vida. Era exatamente esse o problema: as exigências do cotidiano, a preocupação com presente e futuro, tudo isso e mais um pouco contribuía para me afastar de meus propósitos maiores.

   Atualmente, somos cercados de distrações e bombardeados por informações o tempo todo, mas estamos tão acostumados que nem percebemos o quanto essas coisas sugam nosso tempo e disposição. Mesmo que nossas checadas nas redes sociais durem poucos minutos, o hábito nos leva a fazê-lo o tempo todo, e quanto tempo se escoa enquanto deslizamos o dedo distraidamente pela timeline do Facebook, Twitter, Instagram, e pelas dezenas de mensagens de grupos do Whatsapp que muitas vezes nem nos interessam? A lista de distrações é imensa. Sei que é clichê, mas as redes sociais só são úteis até o ponto em que não dependemos delas. Além do mais, muita informação sem ser filtrada dá no mesmo que nenhuma. Precisamos ter consciência do que nos é proveitoso, do que é mera futilidade e tentar afastar ao máximo aquilo que se encaixa nessa última opção.

   Outro problema enorme é a preocupação, ou seja, tudo aquilo em que a gente pensa mais do que precisa, o que causa ansiedade desnecessária e que desvia nosso foco dos objetivos reais, trocando-os por meras hipóteses, geralmente negativas, os famosos "e se...". A preocupação é como ficar no escuro temendo monstros imaginários e não pensar em acender a luz, ou seja, ela não nos ajuda em nada a encontrar uma solução para os problemas ou um caminho para a linha de chegada.

   Ok, mas a questão é: como estabelecer as prioridades? Penso no que é mais importante para mim, no que mais quero. Isso inclui planos maiores e pessoas que me cercam, principalmente, e inclui sacrifícios, pois nem tudo o que fazemos é só pra nós. Além disso, toda rota em direção a um objetivo inclui renúncias a coisas temporárias, secundárias.

We <3 It

   Estabelecidas as prioridades, é importante se organizar para dividir seu tempo disponível entre elas, e dar um passo de cada vez. Estou planejando o melhor que posso os meus horários para esse ano letivo, para que eu não acabe perdida como no ano passado. Na verdade, organização é ainda mais fundamental esse ano, que é meu último no Ensino Médio.

   Por fim, é necessário nos mantermos equilibrados e tranquilos em relação às nossas prioridades, de modo que possamos abrir uma exceção a elas de vez em quando sem nos sentirmos culpados. Afinal, é sempre bom tentar algo diferente.
   
   Ah!, é bom ressaltar que não me refiro às prioridades apenas como obrigações como estudo ou trabalho, e sim como tudo o que é mais importante em minha vida, por exemplo: passar tempo com as pessoas que amo, meus hobbies (como escrever aqui no blog, ler, etc.), entre diversas outras coisas.

   Que em 2016 tenhamos em nossos corações nossas prioridades e tempo de sobra para aproveitá-las! Como escreveu Salomão, em Eclesiastes 3.1: Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.