Emprestando livros [Vida de leitor #1]


Olá, queridíssimos leitores!

Estou muito animada com o post de hoje, o primeiro da nova coluna Vida de Leitor, onde escreverei sobre situações e fatos sobre a vida dos leitores assíduos, como eu, baseando-me em minha própria experiência e na dos leitores em geral.
Como primeiro tema, escolhi um bem pessoal, um costume que varia entre os amantes dos livros: a prática de emprestar livros. Há quem não hesite um segundo para oferecer um de seus livros a um conhecido, ansioso para compartilhar sua experiência literária. Por outro lado, há quem tenha um ciúme profundo de seus exemplares e seja capaz de responder a seu pedido de empréstimo com um não educado (ou não), por mais amigos que vocês sejam. 

De acordo com a enquete feita aqui no blog, vocês são leitores bem generosos! O resultado foi o seguinte: 12% sempre emprestam seus livros, 62% emprestam só para amigos e 25% raramente emprestam. Parabéns!

Eu, particularmente, não estou em nenhum dos dois extremos. Empresto sim, meus livros, mas não para qualquer um. Apenas para pessoas que sei que irão cuidar de meus livros como eu, que têm o mesmo amor por eles e vão devolvê-los, por mais que demore. Por exemplo, atualmente quatro livros meus estão emprestados: A Culpa é das Estrelas, Batendo à Porta do Céu, Doze Anos de Escravidão e A Verdade sobre o caso Harry Quebert. Mas não estou preocupada com eles, pois sem que estão em boas mãos.
Além disso, também pego muitos livros emprestados. Já li séries inteiras emprestadas de amigas, como A Saga do Tigre, os primeiros de Rangers, Pegasus e Maze Runner (aliás, todas essas foram da mesma pessoa. Isa, te amo!). Fora os livros que peguei da biblioteca quando eu costumava ir. Provavelmente, foi por isso que escolhi esse tema para o post de hoje, porque pegar livros emprestados é ótimo: não custa nada e acrescenta muita coisa à nossa experiência literária.
A maior preocupação dos leitores em emprestar seus "bebês" é que eles não serão devolvidos ou voltarão maltratados. Eu já passei pelas duas experiências, acho, mas foram com aqueles livros que a gente tinha que compartilhar com as outras pessoas da sala no quinto ano. (Ainda bem!)

Cabine Literária
Então, pessoal, a minha opinião é que temos que emprestar livros para quem ainda não leu, desde que seja alguém de confiança. O mesmo vale para quando pegamos um livro emprestado, seja de quem for devemos cuidar dele como se fosse nosso ou ainda melhor.

E vocês, o que acham? Emprestam muitos livros?
Criei essa coluna principalmente para debater os assuntos dos posts com os leitores, então por favor, comentem aqui ou no twitter, facebook, seja lá o que preferirem. Vocês também podem dar sugestões para os próximos temas. Provavelmente essa será uma coluna mensal.

Obrigada e até a próxima!